sábado, abril 11, 2009

Darwin atacado por cães e gatos

Qualquer pessoa qualificada para distinguir pegadas de animais (quer seja um iniciante ou um "expert") sabe distinguir entre pegadas de gato e pegadas de cão. Os cães deixam impressões de unhas nas suas pegadas enquanto que os gatos não.

Isto pode não parecer importante, mas é mais uma das muitas evidências que mostram que quem se sujeita ao darwinismo fá-lo por motivos ideológicos e não científicos.

Os gatos têm unhas retráteis e os cães não. Os cães dependem dos seus dentes para caçar enquanto que os gatos dependem maioritariamente das suas patas. O cão usa as suas garras como forma de o ajudar a andar, correr, cavar, segurar uma presa e coçar-se. As suas unhas não precisam de ser afiadas como as unhas dos gatos.

O que é espantoso no design dos gatos é que quando as suas unhas não estão a ser usadas, elas retraem-se como forma de as proteger. O gato ejecta-as posteriormente quando está a caçar, a defender-se, a subir superfícies complicadas ou quando ele as quer afiar. Isto requer músculos especializados que estendam as garras como uma navalha quando o gato quer usá-las, e uma área especialmente arquitetada de forma a conter as mesmas unhas quando o gato já não necessita delas.

Depois de se termos uma ideia parcial do que é o mecanismo das garras dos gatos, deixando de fora a composição química que controla a auto-reparação, crescimento e refrigeração dos músculos que controlam a retrabilidade das mesmas, que tal se um evolucionista vos disser que todo este sofisticado sistema é o resultado de milhões de anos de forças aleatórias? Absurdo, certo? Mas é exactamente isso que os evolucionistas acreditam.

É um absurdo assumir-se que toda esta sofisticação é o resultado do acaso.

O que é que os gatos faziam antes de terem "evoluído" a espantosa característica das unhas retráteis? Provavelmente eles comportavam-se como os cães. Se esse é o caso, então porque é que evoluíram, uma vez que os cães parecem estar a sobreviver muito bem sem as unhas retráteiss? O que é que os fêz evoluir esse mecanismo sofisticado, e como é que a fada madrinha da evolução (a não-inteligente mãmã natureza) soube colocar os músculos certos para a função certa, na altura certa? Foi por acaso que estes músculos e a área que contém as unhas retraídas apareceram ao mesmo tempo?

Reparem numa coisa: todo este sistema tinha que estar 100% funcional desde o princípio. Imaginem que os músculos para retrair as unhas "aparecem" (evoluem) do nada. Onde é que as unhas iriam ficar? Os músculos e a área que contém as unhas retraídas tinham que aparecer ao mesmo tempo.

Como é que isso aconteceu? Pior, como é que o gato se movimentava durante o suposto processo evolutivo

Estas pergunta assumem que a direcção da suposta evolução foi de um animal com as patas como o cão para um animal com as patas como o gato, mas como já nós todos sabemos o quão maleável o mito darwinista é, talvez a evolução tenha sido na direcção contrária. (Tudo é possível com a evolução) O que isto implica é que um animal com unhas retráteis evolui para um animal com unhas não-retráteis. Como é que isso aconteceu?

Conclusão:
Qualquer que seja o ângulo que se pegue nesta suposta evolução, as "explicações" são mais especulativas que explicativas. A teoria da evolução é uma afronta a razão e a ciência, mas pessoas inteligentes ainda a subscrevem alegremente. Nisto se confirma nelas o que Deus disse há cerca de 2000 anos: "Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos" (Romanos 1:22)

Tanto os gatos e os cães (ou o tipo básico a partir do qual gatos por um lado e cães por outro se diversificaram) apareceram completamente funcionais e operacionais. As unhas do cão funcionam perfeitamente segundo o propósito para o qual elas foram criadas, o mesmo se passando com os gatos. Não houve nenhuma evolução ridícula de unhas fixas para unhas retráteis porque não houve evolução nenhuma em nenhum lugar do universo (excepto na mente dos ateus).

Modificado a partir do original de John Hinton:
"Cat and Dog Paws: Things That Make Evolutionists Look Stupid"

0 comentários:

Publicar um comentário

Os 10 mandamentos do comentador responsável:
1. Não serás excessivamente longo.
2. Não dirás falso testemunho.
3. Não comentarás sem deixar o teu nome.
4. Não blasfemarás porque certamente o editor do blogue não terá por inocente quem blasfemar contra o seu Deus.
5. Não te desviarás do assunto.
6. Não responderás só com links.
7. Não usarás de linguagem profana e grosseira.
8. Não serás demasiado curioso.
9. Não alegarás o que não podes evidenciar.
10. Não escreverás só em maiúsculas.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Share

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More