domingo, junho 29, 2008

Kirk Franklin - Brighter Day

sábado, junho 28, 2008

As Consequências Mentais do Ateísmo?

Atheism and Mental and Physical Health

See main article: Atheism and Mental and Physical Health

The is considerable amount of scientific evidence that suggest that theism is more conducive to mental and physical health than atheism.[68][69] The prestigious Mayo Clinic reported the following on December 11, 2001:

In an article also published in this issue of Mayo Clinic Proceedings, Mayo Clinic researchers reviewed published studies, meta-analyses, systematic reviews and subject reviews that examined the association between religious involvement and spirituality and physical health, mental health, health-related quality of life and other health outcomes.The authors report a majority of the nearly 350 studies of physical health and 850 studies of mental health that have used religious and spiritual variables have found that religious involvement and spirituality are associated with better health outcomes.[70]

In regards to data that relates to mental health and atheism, in December of 2003, the University of Warwick reported the following:

Dr. Stephen Joseph, from the University of Warwick, said: "Religious people seem to have a greater purpose in life, which is why they are happier. Looking at the research evidence, it seems that those who celebrate the Christian meaning of Christmas are on the whole likely to be happier.[71]
Currently, there is an ongoing debate on whether atheism was a causal factor for Friedrich Nietzsche's insanity or whether it was caused purely through disease.

Currently, there is an ongoing debate on whether atheism was a causal factor for Friedrich Nietzsche's insanity or whether it was caused purely through disease.

Duke University has established the Center for Spirituality, Theology and Health.[72] The Duke University Center for Spirituality, Theology and Health is based in the Center for Aging at Duke and gives opportunities for scholarly trans-disciplinary conversation and the development of collaborative research projects.[73] In respect to the atheism and mental and physical health, the center offers many studies which suggest that theism is more beneficial than atheism.[74]

Currently, there is an ongoing debate regarding whether atheism was a causal factor for Friedrich Nietzsche's insanity or whether it was caused strictly by disease.[75][76][77][78] An article published on the Hong Kong Baptist University website offers the following regarding the cause of Friedrich Nietzsche's insanity:

Trying to explain what caused his insanity can only be a matter of speculation. Some people believe it was the result of a physical illness. Others interpret his suffering as that of a true prophet, almost as if he were accepting the punishment on behalf of those who could not see mankind's tendency towards self-destruction so clearly. Still others regard his final fate as a natural outcome of his philosophical outlook.[79]

Atheism and Suicide

Pitzer College sociologist Phil Zuckerman stated concerning suicide rates: "this is the one indicator of societal health in which religious nations fare much better than secular nations."

See main article: Atheism and suicide

Although there are recent studies relating to atheism being a causal factor for suicide, an early proponent of atheism being a causal factor for suicide was the Reverend Dr. Robert S. MacArthur.[80][81][82] In 1894, the NY Times stated the following in relation to atheism and suicide:

Dr. Martin urged that a great cause of suicide was atheism. It was, he said, a remarkable fact that where atheism prevailed most, there suicides were most numerous. In Paris, a recent census showed one suicide to every 2,700 of the population. After the publication of Paine's "Age of Reason" suicides increased.[83]

The same NY Times article quotes the Reverend Dr. MacArthur describing suicide in the following manner:

It is mean and not manly; it is dastardly and not daring. A man who involves his innocent wife and children in financial disaster and disgrace and takes his life and leaves them to bear the burden he was unwilling to bear, is a coward.[84]

In 2004, the American Journal of Psychiatry reported the following:

Religiously unaffiliated subjects had significantly more lifetime suicide attempts and more first-degree relatives who committed suicide than subjects who endorsed a religious affiliation. Unaffiliated subjects were younger, less often married, less often had children, and had less contact with family members. Furthermore, subjects with no religious affiliation perceived fewer reasons for living, particularly fewer moral objections to suicide. In terms of clinical characteristics, religiously unaffiliated subjects had more lifetime impulsivity, aggression, and past substance use disorder. No differences in the level of subjective and objective depression, hopelessness, or stressful life events were found.[85]

The website reported the following in respect to atheism and suicide:

Pitzer College sociologist Phil Zuckerman compiled country-by-country survey, polling and census numbers relating to atheism, agnosticism, disbelief in God and people who state they are non-religious or have no religious preference. These data were published in the chapter titled "Atheism: Contemporary Rates and Patterns" in The Cambridge Companion to Atheism, ed. by Michael Martin, Cambridge University Press: Cambridge, UK (2005). In examining various indicators of societal health, Zuckerman concludes about suicide:"Concerning suicide rates, this is the one indicator of societal health in which religious nations fare much better than secular nations. According to the 2003 World Health Organization's report on international male suicides rates (which compared 100 countries), of the top ten nations with the highest male suicide rates, all but one (Sri Lanka) are strongly irreligious nations with high levels of atheism. It is interesting to note, however, that of the top remaining nine nations leading the world in male suicide rates, all are former Soviet/Communist nations, such as Belarus, Ukraine, and Latvia. Of the bottom ten nations with the lowest male suicide rates, all are highly religious nations with statistically insignificant levels of organic atheism."[86]

Australian online opinion writer and lecturer in ethics and philosophy at several Melbourne theological colleges, Bill Muehlenberg, in his essay The Unbearable Heaviness of Being (In a World Without God) states the following:

Announcing, and believing, that God is dead has consequences. And it is we who suffer the most for it. We cannot bear the whole universe on our shoulders. We were not meant to. We must let God be God. Only then can men be men. Only then can we find the way forward to be possible, and the burdens not insurmountable.[87]

Sigmund Freud's View of Religion

Sigmund Freud in his laboratory

Sigmund Freud in his laboratory

Psychologist Sigmund Freud was a proponent of atheism who argued that theism was detrimental to mental health.[88] Oxford Professor Alister McGrath, author of the book The Twilight of Atheism, stated the following regarding Freud:

One of the most important criticisms that Sigmund Freud directed against religion was that it encourages unhealthy and dysfunctional outlooks on life. Having dismissed religion as an illusion, Freud went on to argue that it is a negative factor in personal development. At times, Freud's influence has been such that the elimination of a person's religious beliefs has been seen as a precondition for mental health.Freud is now a fallen idol, the fall having been all the heavier for its postponement. There is now growing awareness of the importance of spirituality in health care, both as a positive factor in relation to well-being and as an issue to which patients have a right. The "Spirituality and Healing in Medicine" conference sponsored by Harvard Medical School in 1998 brought reports that 86 percent of Americans as a whole, 99 percent of family physicians, and 94 percent of HMO professionals believe that prayer, meditation, and other spiritual and religious practices exercise a major positive role within the healing process.[89]

O Desespero de um Evolucionista

Durante o ano de 2005 o evolucionista James Randi tentou subornar o "Smithsonian" para que estes não exibissem o filme "THE PRIVILEGED PLANET".

O filme em questão oferece uma vasta gama de evidências científicas que suportam a posição de que o universo é o resultado de design inteligente, em oposição à crença de que o universo criou-se a si próprio.

O evolucionista James Randi, "preocupado" com as ramificações de tal filme, fez o que qualquer pessoa normal faria numa situação destas: ofereceu dinheiro para que o filme não fosse exibido.

Sim, os darwinistas estão tão desesperados que a informação circule livremente que oferecem dinheiro para que as evidências contra o naturalismo não cheguem aos ouvidos das massas.

O Dr David Berlinski, um matemático e filósofo, resolveu responder ao Randi. Eis aqui a sua resposta:


An Open Letter to the Amazing Randi
By: David Berlinski
Discovery Institute
June 13, 2005

Dear Amazing Randi:
I just read your widely publicized letter to the Smithsonian about its decision to air The Privileged Planet, Discovery Institute's film on intelligent design. You find it “impossible to comprehend” why the Smithsonian has chosen to screen such a film. And, I see that you are willing to pay the Smithsonian Institute $20,000 so that they don’t do it.

I want you to know, you’re doing the right thing. I figure the American people are dumb as posts. Who knows what ideas a film like that could put into their heads? You haven’t seen the film either, am I right? See no evil, see no evil is what I always say.

But here’s the thing, Randi. I was sort of planning to screen the film right here in my apartment in Paris. I’ve got a little screening room I call The Smithsonian right between the bathroom and the kitchen, I sort of figured I’d invite some friends over, open a couple cans of suds, sort of kick back and enjoy. Now you fork over $20,000 to the Smithsonian not to show the film and right away I’m showing the film here in Paris — that’s just not going to work for you, if you catch my drift.

But hey, what are friends for? I mean for $20,000, I can make my screening of the The Privileged Planet go away too. An extra $10,000 and we spend the evening reading aloud from Daniel Dennett’s autobiography. I hear it’s a real snoozer, no chance at all that anyone’s going to walk away from an evening like that with poor thoughts about the cosmos or anything like that. You handle the refreshments — nothing much, some cocktail franks maybe, a few kegs of French beer — and I knock ten percent off the price. What do you say?

Now I know what you’re thinking, Randi, because to tell you the truth, I’ve been thinking the same thing. You’re thinking, hey, I’m out forty thousand seminolas to can this film in Washington DC and Paris, and right away, some yutz is going to figure it’s show time in Oklahoma or Nebraska or even in New York, and what do I do then? I’m way ahead of you on this one. I’ve talked with my buddies at the Discovery Institute and for the right kind of donation, we poleax the film completely. That’s right. It disappears itself, if you catch my drift. You get to keep the negatives, we keep the director’s cut in our safe for insurance. Is this some sort of deal, or what?

Now I know what you’re thinking because I’ve been there myself. You’re thinking, the Discovery Institute? Bunch of right-wing weirdoes, am I right? Hey, it’s not like that at all, Randi, I got to tell you. We here at the Discovery Institute, we’re businessmen, if you catch my drift. We want to do the right thing and we want to do it at the right price. Look at it this way. The right kind of donation gets you total peace of mind. You really can’t buy that kind of protection, only in this case you can.

So give me a ring, or send me a note. I’d like to tell you we take checks, but you’re a businessmen, too, am I right? It’s got to be cash. More than you’ve got lying around? Not a problem. Just give George Soros a call. Tell him it’s for a friend. Do it now.

You’ll sleep better at night.

Your admirer,

David Berlinski

PS: I write a lot of stuff for Commentary, too. For the right price, I don’t have to write anything at all. Think it over. Let me know.

David Berlinski received his Ph.D. in philosophy from Princeton University and was later a postdoctoral fellow in mathematics and molecular biology at Columbia University.


sexta-feira, junho 27, 2008

A Razão do Medo Darwinista

by DaveScot

In the latest Gallup poll in a 26-year series asking the same questions, only 14% of Americans are chance worshippers when it comes to evolution. The other 86% believe an intelligent agent was involved. Of course the poll names the intelligent agent “God” but you know what my old pal William Shakespeare had to say about that - “a rose by any other name would smell as sweet”.

Imagine what the numbers would be like if criticism of evolution by chance & necessity were allowed into the childhood secular indoctrination program (a.k.a. public schools). No wonder the chance worshippers freak out over the thought of having their lame hypothesis discussed in an open manner. If, in the absence of criticism, they can only convince 14% of the kids how many fewer would buy what they’re selling if criticism were allowed?


A teoria da evolução é ensinada nas escolas publicas americanas, mas apenas 14% acreditam na versão que é ensinada lá.

O criticismo científico à teoria da evolução practicamente não existe nas escolas públicas, mas mesmo depois de décadas a indoctrinar as pessoas (com o dinheiro público) e sem ensino de nenhuma alternativa, apenas 14% dos indivíduos da nação que anualmente ganha mais prémios científicos acredita que as forças da natureza têm poder para gerar os sistemas presentes no mundo biológico.

Isto talvez explique o porquê de os darwinistas não aceitarem críticas à sua religião.

Se sem criticismo, só 14% adoram a "mãe natureza" como criadora, o que é que haveria de acontecer se as evidências científicas contra a teoria da evolução fossem apresentadas livremente?

Portanto, percebe-se o medo darwinista.

quinta-feira, junho 26, 2008

Arqueologia e a Bíblia - O Muro de Neemias

Quando, no ano passado, os arqueólogos descobriram aquilo que eles acreditam ser parte do muro reconstruido por Neemias (Neeemias 2:17-6:15), não puderam deixar de ficar surpresos.

"Ficámos surpreendidos" admitiu a chefe da equipa a Drª Eilat Mazar, não deixando de notar que esta descoberta foi feita numa altura em que muitos estudiosos afirmavam que o muro nunca existiu.

(Como sempre, Deus tem a última palavra)

Aparentemente a descoberta foi acidental - o resultado de uma tentativa de salvação numa torre em perigo de cair.

A Drª Mazar é a supervisora/chefe/líder do "Institute of Archaeology at the Shalem Center", um instituto virado para a área educacional e a área de pesquisa baseado em Jerusalem.

Recentemente ela e a sua equipa voltaram a estar nas páginas dos jornais. Desta vez foi devido à descoberta de um selo em pedra durante as suas escavações me Jerusalem.

O selo em pedra tem o nome ‘Tamá’ gravado nela. "Por acaso" o Livro de Neemias também menciona ‘Tamá’. A Bíblia fala nos "descendentes de Temá" no versículo Neemias 7:55 (Hebraico תמח, às vezes transliterado para Temach, Temah or Tamah) como pertencendo ao grupo dos serviçais do templo (7:46) que voltaram do exílio na Babilónia para Jerusalém e Judá (7:6).

A Drª Mazar disse que o selo foi encontrado a uma certa distãncia da área "Opel" (ou Aphel), onde os serviçais do templo viviam durante a época de Neemias (11:21).

'O selo da familia Temá dá-nos uma ligação directa entre a arqueologia e as fontes Bíblicas, e serve de evidência para a família mencionada na Bíblia" afirmou a Drª Mazar. 'Não podemos de deixar de estar surpresos pela credibilidade das fontes Bíblicas, tal como confirmado pelo achado arqueológico.'

Sinceramente, não há razão nenhuma para se estar "surpreso" pelo facto de que a Bíblia é uma fonte histórica de confiança.

Deus falou através dos Seus Profetas (2 Pedro 1:20–21, Hebreus 1:1), Ele nunca mente (Tito 1:2), e a Bíblia confirma isso mesmo, e a Palavra de Deus pode ser confiada (2 Timóteo 3:15–17).


Aquilo que Deus falou sobre o passado tem sido confirmado vez após vez pela ciência. A arqueologia tem sido uma ciência que tem, literalmente, sido uma arma evangelística poderosa.

Se o que Deus disse sobre a história de Israel e sobre outros factos, têm sido confirmados pela ciência, porque é que vamos pôr em causa logo o princípio da Bíblia? O mesmo tipo de narrativa usada por Deus no Livro de Neemias está presente na descrição da Criação. Como tal, e uma vez que históricamente a Bíblia tem sido confirmada vezes e vezes sem conta, não há razão lógica nenhuma para pôr em causa o Livro do Génesis.

Isto é tanto mais verdade quando a alternativa (evolução) é claramente uma fábula ateísta mascarada de ciência, e não está de acordo com as observações.

Deus é Fiel, e a Sua Palavra é Verdade.

segunda-feira, junho 23, 2008

A Ditadura da União Europeia

A arrogância do parlamento europeu não para de crescer. Uma das coisas mais ridículas que foi dita depois dos irlandeses recusarem o Tratado de Lisboa foi:

"Os irlandeses não se podem opôr à vontade de 500 milhões de europeus."

Mas....quem disse que a vontade dos restantes europeus é diferente da vontade dos irlandeses? Os irlandeses ao menos tiveram a hipótese de votar. Nós nem a isso tivémos direito!
Façam o mesmo referendo aos outros 500 milhões, e depois vêmos a resposta.

Eis aqui um video da discussão parlamentar.

"Qual é a relação entre isto e o debate entre a criação e o evolucionismo?" pode-se perguntar?

Oh, apenas e só que a mesma organização ditaturial que quer forçar tratados bela guela abaixo dos europeus, é a mesma organização que diz que o criacionismo é um ataque ao direitos humanos. (Parem de rir, por favor. É tarde e os vizinhos podem ouvir, bolas!)

Sim, porque, como toda a gente sabe, os grandes violadores dos direitos humanos no século 20 eram todos firmes crentes no criacionismo Bíblico. Os "criacionistas" José Stalin, Pol Pot e Mao Tse Tung por várias vezes fizeram menção da sua fé na criação em 6 dias, e no Dilúvio Universal nos dias de Noé.

Isto para não falar no "criacionista" Hitler, que, tal como a Bíblia diz, sempre acreditou que todos os seres humanos são descendentes do mesmo pai (Adão) e da mesma mãe (Eva), e que nunca na sua vida considerou uma raça superior a outra. Se houver dúvidas disso, basta lembrar o que o Hitler fez quando o afro-americano Jesse Owens ganhou 4 medalhas nos jogos Olímpicos de 1936.

Os ditadores que hoje governam a europa estão cada vez menos cuidadosos em esconder os seus sentimentos totalitários. Isto é visível não só ao nível das suas políticas mas especialmente ao nível do "controlo" da informação que eles querem fazer no que toca o debate sobre as nossas origens.

Ideologias que receiam a livre circulação de informação são ideologias que temem a verdade.

O que é que o parlamento europeu tem a esconder? Porque é que eles temem tanto o criacionismo?

sábado, junho 21, 2008

Semente Subterrada há 2000 Anos Volta à Crescer

Uma semente enterrada debaixo dos escombros da fortaleza de Herodes o Grande formou raízes e está a tornar-se numa palmeira.

Science Now reportou este facto como verificação de que sementes antigas ainda podem crescer. A National Geographic News reportou que esta germinação ultrapassa o record anterior que estava fixado em 700 anos.

A equipa de investigação israelita deu a alcunha de “Methuselah” à arvore, o nome da pessoa com maior longevidade alguma vez reportada.

Os testes rádio carbónicos efectuados em outras sementes do mesmo grupo mostrou datas entre o entrevalo 2110-1995.


Esta semente esteve enterrada numa fortaleza, no quente deserto da Judeia, durante 2000 anos. Já imaginaram fazer uma máquina que dure 2000 anos? Imaginem o Rei Herodes fazer uma máquina que pudesse ser empacotada, enterrada durante 2000 anos, desempacotada, e posta funcionar outra vez. Seria uma marco da engenharia e do design.

Agora imaginem um robô minúsculo que lê códigos, pode crescer, extrair nutrientes das areias do deserto e produzir frutos doces. Espantoso!

Qual é a explicação mais lógica para a origem de tal robô minúsculo? Milhões e milhões de acidentes naturais, filtrados pela sempre atenta selecção natural, ou design? Alguém já viu uma força sem inteligência a criar máquinas biológicas? Existe alguma força da natureza capaz de criar códigos de informação?

Acho que a resposta é por demais óbvia. Claro que isto não vai convencer o ateu devoto, uma vez que para ele tudo tem que ter uma explicação naturalista, mesmo que as evidências apontem para o Criador.

Quem é que precisa de evidências quando se tem o naturalismo?

(Artigo Original)

sexta-feira, junho 20, 2008

Visões do céu e do inferno

quinta-feira, junho 19, 2008

Quais São as Origens Evolutivas do Ateísmo?

Evolutionary Science: Deconstructing (Other Peoples') Religious Beliefs

bible_study_small.pngA recent study in American Scientist should ignite a blaze of research in evolutionary psychology. In Evolution, Religion, and Free Will, Gregory Graffin and William Provine report their survey of the religious beliefs of eminent evolutionary scientists. The results are striking. Evolutionary scientists hold views about God and religious belief that are radically at odds with those of most Americans. To evolutionary scientists such extreme variance from the mainstream views would normally raise fascinating questions about selection factors associated with atheist adaptation. Graffin and Provine's study should give rise to scores of papers about the evolutionary origins of atheism.

But it won't.

There's no doubt that the religious beliefs of evolutionary scientists are radically different from those of most Americans. Graffin and Provine's study, called the Cornell Evolution Project, evaluated the results of a questionnaire returned by 149 leading evolutionary scientists about their religious beliefs. Eighty percent of evolutionary scientists were strict atheists. Another six percent expressed atheist beliefs, but left some room for 'mystery'. About five percent were deists, and five percent had a more or less traditional belief in God. Religious beliefs of evolutionary scientists are the inverse of the beliefs of the American public, nearly ninety percent of whom believe in God.

Yet the authors note that the great majority of evolutionary scientists (nearly ninety percent) see no conflict between religion and evolution. Ironically, this is not because evolutionary scientists believe that religion and science represent different 'magisteria', but because they believe that religious belief is a product of evolution. The vast majority of evolutionary scientists attribute belief in God to evolutionary mechanisms. That is, they deconstruct belief in God, and imply that it is merely an adaptive trait, or an accident— a spandrel. Evolutionary scientists' own scientific opinions about the evolutionary origin of belief in God correspond quite nicely to their own personal religious disbelief.

But then what is the evolutionary origin of disbelief in God? If evolutionary scientists were unbiased in their approach to the study of religious belief, they would study the evolutionary origins of their own beliefs, as well as the origins of the beliefs of others. Despite the significant evolutionary questions raised by the adherence of a group of intelligent well-educated professionals to a fringe ideology—atheism— that has had a profound influence on the 20th century, evolutionary scientists show no interest in honest evolutionary introspection. That's surprising if their interest is genuinely scientific, but quite unsurprising if they are advancing an implicit or explicit ideological agenda with their work.

For evolutionary scientists, deconstructing religious belief is a method applied to other peoples' beliefs. Graffin and Provine, unpreturbed by this double standard and by the implications for the integrity of evolutionary science, point out the pragmatic implications of evolutionary scientists' obvious theological bias:

Eminent evolutionists…worry that the public association of evolution with atheism or at least nonreligion will hurt evolutionary biology, perhaps impeding its funding or acceptance…Seeing religion as a sociobiological feature of human evolution, while a plausible hypothesis, denies all worth to religious truths.

Senator Sam Brownback recently pointed out in his New York Times essay that some aspects of evolutionary theory are atheistic theology, disguised as science. As Graffin and Provine's study demonstrates, the evidence supporting Brownback's assertion is overwhelming.

segunda-feira, junho 16, 2008

Computador Mais Proximo do Cérebro

A IBM quebrou a barreira dos "petaflops".

Em linguagem computacional
FLOPS (ou flops) é um acrônimo que significa FLoating point Operations Per Second que, em português, quer dizer operações de ponto flutuante por segundo

Computador Desempenho
Nome flops
megaflop 106
gigaflop 109
teraflop 1012
petaflop 1015
exaflop 1018
zettaflop 1021
yottaflop 1024
xeraflop 1027


O super computador "Roadrunner" pertencente ao "Los Alamos National Laboratory" estabeleceu um novo recorde no que toca a velocidade de computação, um avanço que pode despoltar uma nova era no que toca à análise científica de sistemas complexos.

Science Daily reporta que este computador pode fazer uma coisa ainda mais espantosa:
O Roadrunner é capaz de imitar algumas das complexas reacções neurais que ocorrem no cérebro humano.

Ate hoje os computadores não têm conseguido igualar a performance humana em trabalhos visuais como detectar um veículo em aproximação numa autoestrada, ou distinguir um amigo de um estranho numa multidão de pessoas.
O Roadrunner está a mudar as coisas.

Um programa de teste chamado PetaVision tenta imitar como é que o cérebro executa a visão.
“PetaVision models the human visual system--mimicking more than 1 billion visual neurons and trillions of synapses.” Because there are about a quadrillion synapses in the human brain, an artificial brain is finally entering the ballpark of keeping up with the biological computer."

Por outras palavras, os programas feitos pelos cientistas estão-se a aproximar da superior capacidade do cérebro humano no que toca a execução de funções visuais.

Foram precisas décadas de inteligência humana e engenharia para construir esta monstruosidade metálica, que só agora está a aproximar-se de UMA das operações do cérebro humano, nomeadamente, a visão. Para operar, esta máquina precisa de uma sala metálica, cabos com um circuito elétrico, arrefecimento artificial e uma equipa de administradores, sem contar com os programadores.

O nosso cérebro, por contraste, tem apenas 1,3 Kgs, está contido numa plataforma móvel, e faz muito mais do que apenas processar a visão. Mantém o controlo sobre trilhões de células, sobre o coração, pulmões, aparelho digestivo, fígado, pancreas, glandulas, sistema imunitário e muitos outros sistemas. Não só faz isto tudo inconscientemente, mas reage à audição, ao cheiro, ao sabor, ao toque, equilíbrio e a temperatura. Para além disso ele busca memórias, pensa, imagina, sente e muito mais. Isto tudo dentro de um espaço de 1350 cc.
Não é preciso ligá-lo à corrente. Não é preciso pô-lo numa área refrigerada. Podemos fazer ski, ou ir para o deserto, e até podemos nadar com ele. E o que é que ele precisa como combustível? Sardinhada e água! (ok, um pouco de vegetais também ajuda!)

O evolucionista ateu olha para o Roadrunner e fica maravilhado ("Que bela máquina!"). No entanto, o mesmo ateu olha para o bem mais eficiente e bem mais complexo cérebro humano e diz "Obviamente que ninguém fez o cérebro! É óbvio que ele é o resultado de milhões de anos de evolução não-direccionada, não-inteligente e não-pessoal!"

Pois pois.....

Deus tem um verso especialmente para aqueles que negam o óbvio:

Romanos 1:20.
Pois os Seus atributos invisíveis, o Seu Eterno Poder e Divindade, são claramente vistos desde a criação do mundo, sendo percebidos mediante as coisas criadas, de modo que eles são inescusáveis;

O ser humano não têm razões para negar a existência de Deus uma vez que as evidências são claramente visíveis. O grande Rei, o Rei David, não tinha telescópios nem tinha microscópios, mas ele podia olhar para si próprio e dizer "Maravilhosamente fui criado!"

O ateu evolucionista, rodeado de tecnologia, olha para a complexidade dentro de uma célula, e olha para a vastidão e ordem que há no universo e conclui que é tudo obra das forças da natureza. É tudo o resultado de forças sem inteligência.


quarta-feira, junho 11, 2008

A Letter From Hell

domingo, junho 08, 2008

O Testemunho do Dr Ergun Caner

Pavão e Ciência versus Darwin

O design presente na cauda do pavão, cheio de padrões que se parecem olhos, mostra todos os indícios de ter sido criado - por Um Criador.

Não é, portanto, surpresa nenhuma que Darwin tenha tido dificuldades em explicar a cauda do pavão em termos evolutivos. Para ser mais preciso, o que Darwin disse foi:

‘The sight of a feather in a peacock’s tail, whenever I gaze at it, makes me sick!’ 1

Estas foram as suas palavras exactas no ano de 1860, um ano depois de ter publicado o seu livro "Origin of Species".

Como Darwin não podia ficar "sick" (doente) eternamente, onze anos depois (1871) ele propôs a sua teoria da "selecção sexual" como forma de providenciar uma explicação naturalista (evolucionista) para as penas do pavão.

Basicamente, a ideia de Darwin era a de que as penas e os padrões presentes no pavão evoluiram (isto é, apareceram naturalmente) como resposta às escolhas das fémeas. Os pavões com as caudas mais bonitas seriam mais atraentes para as fémeas, fazendo com os que esses fossem escolhidos. Estes acasalavam mais e passavam os seus genes para a geração seguinte, incluíndo os genes da cauda atraente.

Largamente publicitados estudos foram feitos que "confirmaram" que as pavoas preferem os machos com as caudas mais atraentes. Este "facto" passou a fazer parte do "canon da biologia evolutiva".

No entanto, agora entra a ciência, e sempre que isso acontence, a evolução tem que "dar o seu lugar".

Observações detalhadas conduzidas pela equipa Mariko Takahashi (Universidade de Tóquio) coloca problemas à crença evolucionista de que as penas do pavão evoluiram em resposta ás escolhas da fémea. 3,4

O estudo não encontrou evidência alguma de que as pavoas escolhem os machos de acordo com a qualidade das caudas. Esta situação vai contra a teoria darwinista da "selecção sexual".

Contrariamente ao que diz a teoria darwinista da selecção sexual, os pesquisadores verificaram que a cauda do pavão "não é objecto a preferência sexual das pavoas".

Convém ressalvar que mesmo que as fémeas fossem atraídas pelas caudas mais bonitas, isto não explica a origem da informação genética que codifica para caudas de pavão.


Darwin observou as caudas do pavão, e tentou explicá-las naturalisticamente (evolutivamente). Ele propôs a teoria da selecção sexual. A ciência observou que não existe nenhuma selecção sexual no que toca as caudas do pavão. Portanto a explicação de Darwin em relação as caudas do pavão está cientificamente refutada .

E o Criacionismo?

A Palavra de Deus é mais uma vez confirmada com os avanços da ciência.

As estruturas presentes nas caudas do pavão (beleza, ordem, elegância, informação genética e design) são um testemunho forte para o Deus Criador. Ele não tinha necessidade nenhuma de fazer as caudas do pavão bonitas, mas Ele fê-las assim para que nós soubessemos que elas foram feitas por Alguém.

Esse tipo de estruturas são sempre evidências de uma ou mais mentes por trás desses sistemas. Se encontramos essas coisas no mundo biológico, então isso está de acordo com o que a Bíblia diz, nomeadamente, que Deus criou tudo o que está nos céus, na terra e nos mares (Êxodo 20:11).

A Palavra de Deus e a ciência estão em plena harmonia.


(Artigo original pode ser encontrado aqui)

domingo, junho 01, 2008

Exemplo de um sistema de complexidade irredutível

Exemplo de um sistema de complexidade irredutível

1 - Fraudes Evolutionistas: Piltdown Man

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...


Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More