quarta-feira, Abril 30, 2008

Ruse: A Evolução é Religião

"At the time I rather pooh-poohed what Mr. Gish said, but I found myself thinking about his words on the flight back home. And I have been thinking about them ever since. Indeed, they have guided much of my research for the past twenty years.

Heretical though it may be to say this - and many of my scientist friends would be only too happy to chain me to the stake and to light the faggots piled around - I now think the Creationists like Mr. Gish are absolutely right in their complaint. Evolution is promoted by its practitioners as more than mere science.

Evolution is promulgated as an ideology, a secular religion -- a full-fledged alternative to Christianity, with meaning and morality. I am an ardent evolutionist and an ex-Christian, but I must admit that in this one complaint - and Mr. Gish is but one of many to make it - the literalists are absolutely right.

Evolution is a religion. This was true of evolution in the beginning, and it is true of evolution still today."

(RUSE, Michael "How Evolution Became a Religion: Darwinians Wrongly Mix Science With Morality, Politics." National Post (Saturday, May 13, 2000)

A Igreja Católica e a Criação

Têm havido uns comentários em vários blogs que sugerem que a igreja católica está de mãos dadas com os ateus evolucionistas no que toca à interpretação do Livro do Génesis.

Para que se veja qual é a posição que a Igreja católica sempre defendeu em relação à interpretação do Livro do Génesis, deixo aqui este pdf. O original pode ser encontrado aqui.

Isto não implica que não haja católicos contemporâneos que tomem uma posição diferente. O que isto indica é que estes católicos evolucionistas não só estão em rota de colisão com a ciência e com a Bíblia, mas estão em rota de colisão com aquilo que a sua própria congregração sempre defendeu em relação à interpretação do Livro do Génesis.

Reparem especialmente na conclusão.

What Does the Catholic Church Teach about Origins?


· God created everything “in its whole substance” from nothing (ex nihilo) in the beginning.
(Lateran IV; Vatican Council I)
· Genesis does not contain purified myths. (Pontifical Biblical Commission 19091)
· Genesis contains real history—it gives an account of things that really happened. (Pius XII)
· Adam and Eve were real human beings—the first parents of all mankind. (Pius XII)
· Polygenism (many “first parents”) contradicts Scripture and Tradition and is condemned. (Pius XII; 1994
Catechism, 360, footnote 226: Tobit 8:6—the “one ancestor” referred to in this Catechism could only be
Adam.)
· The “beginning” of the world included the creation of all things, the creation of Adam and Eve and the Fall
(Jesus Christ [Mark 10:6]; Pope Innocent III; Blessed Pope Pius IX, Ineffabilis Deus).
· The body of Eve was specially created from a portion of Adam’s body (Leo XIII). She could not have
originated via evolution.
· Various senses are employed in the Bible, but the literal obvious sense must be believed unless reason
dictates or necessity requires (Leo XIII, Providentissimus Deus).
· Adam and Eve were created upon an earthly paradise and would not have known death if they had
remained obedient (Pius XII).
· After their disobedience of God, Adam and Eve were banished from the Garden of Eden. But the Second
Person of the Trinity would subsequently pay the ransom for fallen man (Nicene Creed).
· Original Sin is a flawed condition inherited from Adam and Eve (Council of Trent).
· The Universe suffers in travail ever since the sin of disobedience by Adam and Eve. (Romans 8, Vatican
Council I).
· We must believe any interpretation of Scripture that the Fathers taught unanimously on a matter of faith or
morals (Council of Trent and Vatican Council I).
· All the Fathers who wrote on the subject believed that the Creation days were no longer than 24-hour-days.
(Consensus of the Fathers of the Church)
· The work of Creation was finished by the close of Day Six, and nothing completely new has since been
created—except for each human rational soul at conception (Vatican Council I)
· St. Peter and Christ Himself in the New Testament confirmed the global Flood of Noah. It covered all the
then high mountains and destroyed all land dwelling creatures except eight human beings and all kinds
of non-human creatures aboard the Ark (Unam Sanctam, 1302)
· The historical existence of Noah’s Ark is regarded as most important in typology, as central to
Redemption. (1566 Catechism of the Council of Trent)
· Evolution must not be taught as fact, but instead the pros and cons of evolution must be taught.
(Pius XII, Humani Generis)
· Investigation into human “evolution” was allowed in 1950, but Pope Pius XII feared that an acceptance of
evolutionism might adversely affect doctrinal beliefs.


In 1909, the PBC was an arm of the Magisterium and dissent from its decisions was tantamount to dissent from the
teaching of the pope himself.


What Does Molecules-to-Man Evolutionism Teach about Origins?


· In the beginning there was neither heaven nor earth, just concentrated primeval matter.
· This matter expanded and exploded.
· The explosion produced gas, mainly helium and hydrogen, which expanded. Over billions of years, clumps
of the gas contracted and formed stars. One of these stars was our sun.
· Part of the sun detached itself and became planet Earth.
· Radiometric dating strongly indicates that the earth is more than four billion years old.
· Given enough time, random interactions of matter will produce spontaneous increases in specific
complexity in randomly-formed units of matter.
· When the planet cooled, chemicals reacted together to form amino acids.
· Primitive living cells resulted from combinations of the amino acids.
· A process of evolution led to the primitive cells developing into complex cells.
· Over millions of years the cells transformed into higher organisms.
· Gradually the organisms divided themselves into flora and fauna.
· All the known species of plants and trees evolved over immense periods of time, perhaps from some
primitive form of algae.
· Similarly, man evolved from simple marine life, transformed over eons of time from some form of bacteria
into all the aquatic, land and air species that have ever existed.


What Does Cutting-Edge Science Teach about Origins?


· Molecules-to-man evolutionary theory violates the second law of thermodynamics by positing spontaneous
increases in order through random interactions of matter.
· Matter from explosions does not condense to form objects like galaxies.
· Chemicals do not react together randomly to form amino acids through natural processes.
· Amino acids do not randomly interact to form living cells through undirected natural processes.
· Molecules-to-man evolutionism violates the Law of Biogenesis: Life does not come from non-life.
· The specific complexity of genetic information in the genome does not increase spontaneously. Therefore,
there is no natural process whereby reptiles can turn into birds, land mammals into whales, or chimpanzees
into human beings.
· All organisms are irreducibly complex. Therefore, in order for any kind of organism to exist, all of the
essential parts of that organism must be fully functioning from the beginning of its existence.
· As now used by evolutionary scientists there is virtually no value in radio dating as an objective source of
prehistoric chronology.
· Many worldwide natural processes indicate an age for the earth of 10,000 years or less. These include
population kinetics, influx of radiocarbon into earth’s atmosphere, absence of meteorites from the geologic
column, and decay of earth’s magnetic field.
· Sedimentological research has challenged the principles upon which the geological time scale is based.
· There is no gradualism in the fossil record, no intermediate types.


CONCLUSION:

Natural science offers no evidence that would contradict the plain and obvious sense of Genesis 1-11, the consensus of the Fathers of the Church, or the magisterial teaching of the Catholic Church on creation and the origins of man and the universe.

For more information contact:

The Kolbe Center for the Study of Creation
952 Kelly Rd., Mt. Jackson, VA 22842, (549) 856-8453
www.kolbecenter.org; E-Mail- howen@shentel.net

A Igreja Católica e a Criação

Têm havido uns comentários em vários blogs que sugerem que a igreja católica está de mãos dadas com os ateus evolucionistas no que toca à interpretação do Livro do Génesis.

Para que se veja qual é a posição que a Igreja católica sempre defendeu em relação à interpretação do Livro do Génesis, deixou aqui este pdf. O original pode ser encontrado aqui.

Isto não inplica que não haja católicos contemporâneos que tomem uma posição diferente. O que isto indica é que estes católicos evolucionistas não só estão em rota de colisão com a ciência e com a Bíblia, mas estão em rota de colisão com aquilo que a sua própria congregração sempre defendeu em relação à interpretação do Livro do Génesis.

Reparem especialmente na conclusão.

What Does the Catholic Church Teach about Origins?


· God created everything “in its whole substance” from nothing (ex nihilo) in the beginning.
(Lateran IV; Vatican Council I)
· Genesis does not contain purified myths. (Pontifical Biblical Commission 19091)
· Genesis contains real history—it gives an account of things that really happened. (Pius XII)
· Adam and Eve were real human beings—the first parents of all mankind. (Pius XII)
· Polygenism (many “first parents”) contradicts Scripture and Tradition and is condemned. (Pius XII; 1994
Catechism, 360, footnote 226: Tobit 8:6—the “one ancestor” referred to in this Catechism could only be
Adam.)
· The “beginning” of the world included the creation of all things, the creation of Adam and Eve and the Fall
(Jesus Christ [Mark 10:6]; Pope Innocent III; Blessed Pope Pius IX, Ineffabilis Deus).
· The body of Eve was specially created from a portion of Adam’s body (Leo XIII). She could not have
originated via evolution.
· Various senses are employed in the Bible, but the literal obvious sense must be believed unless reason
dictates or necessity requires (Leo XIII, Providentissimus Deus).
· Adam and Eve were created upon an earthly paradise and would not have known death if they had
remained obedient (Pius XII).
· After their disobedience of God, Adam and Eve were banished from the Garden of Eden. But the Second
Person of the Trinity would subsequently pay the ransom for fallen man (Nicene Creed).
· Original Sin is a flawed condition inherited from Adam and Eve (Council of Trent).
· The Universe suffers in travail ever since the sin of disobedience by Adam and Eve. (Romans 8, Vatican
Council I).
· We must believe any interpretation of Scripture that the Fathers taught unanimously on a matter of faith or
morals (Council of Trent and Vatican Council I).
· All the Fathers who wrote on the subject believed that the Creation days were no longer than 24-hour-days.
(Consensus of the Fathers of the Church)
· The work of Creation was finished by the close of Day Six, and nothing completely new has since been
created—except for each human rational soul at conception (Vatican Council I)
· St. Peter and Christ Himself in the New Testament confirmed the global Flood of Noah. It covered all the
then high mountains and destroyed all land dwelling creatures except eight human beings and all kinds
of non-human creatures aboard the Ark (Unam Sanctam, 1302)
· The historical existence of Noah’s Ark is regarded as most important in typology, as central to
Redemption. (1566 Catechism of the Council of Trent)
· Evolution must not be taught as fact, but instead the pros and cons of evolution must be taught.
(Pius XII, Humani Generis)
· Investigation into human “evolution” was allowed in 1950, but Pope Pius XII feared that an acceptance of
evolutionism might adversely affect doctrinal beliefs.


In 1909, the PBC was an arm of the Magisterium and dissent from its decisions was tantamount to dissent from the
teaching of the pope himself.


What Does Molecules-to-Man Evolutionism Teach about Origins?


· In the beginning there was neither heaven nor earth, just concentrated primeval matter.
· This matter expanded and exploded.
· The explosion produced gas, mainly helium and hydrogen, which expanded. Over billions of years, clumps
of the gas contracted and formed stars. One of these stars was our sun.
· Part of the sun detached itself and became planet Earth.
· Radiometric dating strongly indicates that the earth is more than four billion years old.
· Given enough time, random interactions of matter will produce spontaneous increases in specific
complexity in randomly-formed units of matter.
· When the planet cooled, chemicals reacted together to form amino acids.
· Primitive living cells resulted from combinations of the amino acids.
· A process of evolution led to the primitive cells developing into complex cells.
· Over millions of years the cells transformed into higher organisms.
· Gradually the organisms divided themselves into flora and fauna.
· All the known species of plants and trees evolved over immense periods of time, perhaps from some
primitive form of algae.
· Similarly, man evolved from simple marine life, transformed over eons of time from some form of bacteria
into all the aquatic, land and air species that have ever existed.


What Does Cutting-Edge Science Teach about Origins?


· Molecules-to-man evolutionary theory violates the second law of thermodynamics by positing spontaneous
increases in order through random interactions of matter.
· Matter from explosions does not condense to form objects like galaxies.
· Chemicals do not react together randomly to form amino acids through natural processes.
· Amino acids do not randomly interact to form living cells through undirected natural processes.
· Molecules-to-man evolutionism violates the Law of Biogenesis: Life does not come from non-life.
· The specific complexity of genetic information in the genome does not increase spontaneously. Therefore,
there is no natural process whereby reptiles can turn into birds, land mammals into whales, or chimpanzees
into human beings.
· All organisms are irreducibly complex. Therefore, in order for any kind of organism to exist, all of the
essential parts of that organism must be fully functioning from the beginning of its existence.
· As now used by evolutionary scientists there is virtually no value in radio dating as an objective source of
prehistoric chronology.
· Many worldwide natural processes indicate an age for the earth of 10,000 years or less. These include
population kinetics, influx of radiocarbon into earth’s atmosphere, absence of meteorites from the geologic
column, and decay of earth’s magnetic field.
· Sedimentological research has challenged the principles upon which the geological time scale is based.
· There is no gradualism in the fossil record, no intermediate types.


CONCLUSION:

Natural science offers no evidence that would contradict the plain and obvious sense of Genesis 1-11, the consensus of the Fathers of the Church, or the magisterial teaching of the Catholic Church on creation and the origins of man and the universe.

For more information contact:

The Kolbe Center for the Study of Creation
952 Kelly Rd., Mt. Jackson, VA 22842, (549) 856-8453
www.kolbecenter.org; E-Mail- howen@shentel.net

Evolução Fora da Ciência Empírica

Stanford Professor Paul Ehrlich says that the Theory of Evolution is “outside empirical science.”

Ehrlich, Paul and L.C. Birch (1967), “Evolutionary History and Population Biology,” Nature, 214:349-352, April 22, p. 352


Our theory of evolution has become, as Popper described, one which cannot be refuted by any possible observations. Every conceivable observation can be fitted into it. It is thus “outside empirical science” but not necessarily false.


No one can think of ways in which to test it. Ideas, either without basis or based on a few laboratory experiments carried out in extremely simplified systems have attained currency far beyond their validity.


They have become part of an evolutionary dogma accepted by most of us as part of our training. The cure seems to us not to be a discarding of the modern synthesis of evolutionary theory, but more skepticism about many of its tenets.

O Filho Espiritual de Laodiceia - Rescaldo de Braga

O Joaquim pôs aqui no blog os comentários do "moderador" do debate entre o Ludwig e o Jónatas.

(Eu ponho "moderador" entre aspas porque, como o próprio admite, ele acabou por "entrar em debate com o Prof. Jónatas". Não deixa de ser curioso que num debate entre um cristão e um ateu, o "moderador" entra em debate com uma das partes, e pior, sendo o moderador um "cristão", entra em debate CONTRA o cristão (!).)

Como sempre, há coisas na sua conclusão pró-darwinista que deixa algo a desejar, quer em termos de ciência, quer em termos de crença na Autoridade da Palavra do Criador, o Senhor Jesus Cristo.
Uma coisa devo saudar o Alfredo Dinis: ele correctamente qualificou a crença na evolução como "evolucionismo". Termos como este são sempre importantes porque, tal como disse o Dr Donald Chittick, eles levam a que as pessoas pensem nestes assuntos. Qualificar uma das partes de "ciência" e a outra de "religião" é um grande desserviço para o debate.

O Alfredo diz:

Pessoalmente, gostaria que tivesse havido mais debate. Como moderador, pareceu-me haver por parte da assistência pouco interesse em intervir. Por esse motivo, acabei por entrar em debate com o Prof. Jónatas, dado que me pareceu que havia um aspecto da crítica ao criacionismo que não fora referida pelo Prof. Ludwig, nem isso lhe competia. É que o criacionismo não está apenas em contradição com a ciência, ele está também em contradição com o cristianismo.

Eu honestamente não sei que "cristianismo" é que o Alfredo tem em mente. Não deve ser o Cristianismo que está na Biblia, uma vez que a Bíblia diz que:

1. O universo foi criado em 6 dias (Êxodo 20:11)
2. Houve um dilúvio universal (Genesis 6-11), e as águas cobriram toda a Terra (Génesis 7:19)
3. A morte entrou no mundo devido ao pecado de Adão (Romanos 5:12, Romanos 8:22)
4. Todos os animais terrestes, incluindo os dinosauros, foram criados no 6º dia da criação (Génesis 1:24)
5. O mundo estava "Muito Bom" no fim do 6º dia da Criação, ou seja, sem morte, sem doenças, sem violência, sem pecado (Génesis 1:31)

Como se isto não fosse suficiente, durante quase 2000 anos, a posição oficial e histórica da Igreja sobre o
Livro do Génesis está de acordo com aquilo que o criacionismo Bíblico diz.

Por exemplo, Calvino diz
:
1. A Terra é jovem:
"They will not refrain from guffaws when they are informed that but little more than five thousand years have passed since the creation of the universe." (http://creationontheweb.com/content/view/236/#r4)

2. Deus criou em seis dias:
"Here the error of those is manifestly refuted, who maintain that the world was made in a moment. For it is too violent a cavil to contend that Moses distributes the work which God perfected at once into six days, for the mere purpose of conveying instruction. Let us rather conclude that God himself took the space of six days, for the purpose of accommodating his works to the capacity of men. (http://creationontheweb.com/content/view/236/#r5)

3. Adão e Eva são figuras históricas, e não alegóricas:
"[Moses] distinguishes between our first parents and the rest of mankind, because God had brought them into life by a singular method, whereas others had sprung from previous stock, and had been born of parents." (http://creationontheweb.com/content/view/236/#r11)

O que Calvino disse sobre a criação, a origem do pecado e o dilúvio pode ser visto neste site. O mesmo pode ser dito de Basil e de qualquer outro líder cristão durante os primeiros 19 séculos do cristianismo.

Aliás, Basil disse uma coisa que deveria fazer pensar todos aqueles que se chamam de "cristãos" mas estão debaixo do feitiço darwinista:

‘Avoid the nonsense of those arrogant philosophers who do not blush to liken their soul to that of a dog; who say that they have been formerly themselves women, shrubs, fish. Have they ever been fish? I do not know; but I do not fear to affirm that in their writings they show less sense than fish.’ (Homily VIII:2)

Impressionante como as palavras de Basil continuam tão actuais, principalmente se levarmos em conta o que a teoria da evolução diz sobre o imaginado passado aquático do homem. Parece que mitos ateus já andam a atacar a verdade há muito tempo.

Portanto, longe de estar contra o cristianismo, o criacionismo sempre foi a interpretação OFICIAL da igreja de Cristo. Só deixou de o ser quando alguns cristãos resolveram pôr os pensamentos dos homens acima da Palavra de Deus.

Foi aí que se começou a imaginar que o mundo tem milhões de anos, e a RE-imaginar que as formas de vida criaram-se a si próprias.

A interpretação do Alfredo é a novidade. A posição dos cristãos criacionistas é a histórica.

A leitura literal dos dois primeiros capítulos do Génesis não tem qualquer fundamento, e a crítica textual que já vem do século XIX, ajuda a perceber isso.

A "critica textual", não só ignora o contexto, a lógica interna, e o propósito, mas vai contra as regras gramaticais do hebraico. Aqueles que sabem hebraico dizem que o texto de Génesis é escrito em forma de narrativa histórica:

‘… probably, so far as I know, there is no professor of Hebrew or Old Testament at any world-class university who does not believe that the writer(s) of Genesis 1–11 intended to convey to their readers the ideas that:

  1. creation took place in a series of six days which were the same as the days of 24 hours we now experience
  2. the figures contained in the Genesis genealogies provided by simple addition a chronology from the beginning of the world up to later stages in the biblical story
  3. Noah’s flood was understood to be world-wide and extinguish all human and animal life except for those in the ark.’ James Barr, Oriel Professor of the interpretation of the Holy Scripture, Oxford University, England, in a letter to David C.C. Watson, 23 April 1984.
Portanto os "alegorizadores", e os "poetizadores" não tem fundamento nenhum da estrutura gramatical do Texto. A sua interpretação viola a lógica do hebraico.

O texto do Génesis quer apenas dizer que Deus é a explicação última de todas as coisas, e pretende também resolver o enigma do sofrimento e da morte.

Se isso fosse a intenção do Livro de Génesis, então bastava dizer "No princípio, criou Deus todas as coisas, e a morte entrou no mundo graças ao pecado do homem". Ponto final. Não era preciso Deus alongar-Se por 1 capítulo com mais de 30 versículos só para dizer que Ele é o Criador.

Não. A razão (ou uma das razões) pela qual o Criador deixou-nos a correcta ordem da criação, incluindo a duração da criação é porque Ele sabia que isso haveria de ser importante. Graças ao relato Histórico da Bíblia, nós podemops saber Quem é o Criador, mas também como é que Ele criou, quanto tempo demorou, a razão do pecado, e muitas outras coisas.

Deus deu-Se ao trabalho de relatar a criação porque ela é fundamental para a teologia cristão.

A argumentação criacionista apresenta-nos um deus inacreditável,
exterior ao universo e que se revela mais por certos acontecimentos inexplicáveis porque complexos, do que pela totalidade do universo.

A teoria da evolução revela um "deus" que precisa de tentar várias vezes até as coisas sairem bem. Além disso, revela um "deus" cruel, que deixa milhões de animais morrerem durante o processo evolutivo e não faz absolutamente nada por isso. Quem é que quer adorar um "deus" assim? Quem é que quer adorar um "deus" criou um mundo onde havia morte, doenças, e derramamento de sangue desde o princípio? Que "deus" é esse que precisa de morte e eliminação dos mais fracos para criar algo novo? Os próprios darwinistas apercebem-se disso:

"What kind of God can one infer from the sort of phenomena epitomized by the species on Darwin's Galapagos Islands? The evolutionary process is rife with happenstance, contingency, incredible waste, death, pain and horror.... The God of the Galapagos is careless, wasteful, indifferent, almost diabolical. He is certainly not the sort of God to whom anyone would be inclined to pray." (David Hull)

O Meu Deus, o Deus que criou todas as coisas, fez as coisas BEM Á PRIMEIRA. Ele não precisou de "tentativas" para criar nada do que foi criado. Ele falou, e as coisas apareceram:

Salmo 33:6 Pela palavra do Senhor foram feitos os céus, e todo o exército deles pelo sopro da Sua Boca.
Salmo 33:9. Pois Ele falou, e tudo se fez; Ele mandou, e logo tudo apareceu.

Ou seja, o Deus de Israel, o Deus Verdadeiro, não precisa de tentativas. Ele fala, e as coisas acontecem. O "deus" da evolução é um "deus" cruel e fraco.

Sim, é inacreditável que Alguém seja capaz de criar a partir do nada. É impressionante que Alguém seja capaz de criar um universo tão vasto e tão elegante como o que nõs temos. Mas o facto de a nossa mente limitada não entender o Deus infinito não nos dá legitimada para deturpar as Suas Palavras. O Alfredo foi pela via mais fácil. Como ele não entende (ou não quer entender) o que Deus diz, então segue no erro dos homens, e as suas filosofias pagãs.

Se Deus existe e é o criador do universo, então Ele é tão identificável nas estruturas complexas como nas simples. Definitivamente, não necessitamos de um deus que é interessante sobretudo porque vem de vez em quando tapar os buracos da nossa ignorância, até que a ciência acabe por tapar esses buracos, dispensando esse deus.

Felizmente, o Deus da Bíblia não é o "deus das falhas". Quando os criacionistas invocam a Deus como a única explicação lógica para a origem das formas biológicas, eles suportam essa crença na Palavra de Deus, que nunca falha, e nas evidências científicas. A ciência, quando propriamente interpretada, confirma a Criação, e refuta o mito da evolução. Portanto longe de ser o "deus das falhas", o Deus da Biblia é o Deus de TODO o processo.

Nada na biologia faz sentido a não ser à luz da criação.

A argumentação criacionista fundamenta-se numa epistemologia que procura avidamente vencer a ciência com contra-exemplos ridículos.

O criacionismo não tenta "vencer a ciência", mas sim mostrar que a ciência está de acordo com a criação, e em total desarcodo com o mito darwinista.

Por exemplo: facto de um fóssil ter sido erradamente identificado como sendo de um hominídeo, acabando por se revelar ser de um burro, em nada contradiz as teses evolucionistas.

Não, mas o facto de a teoria da evolução ter tantos fósseis que tiveram que ser "redatados" e/ou reclassificados não abona a favor da teoria. A teoria da evolução não está errada porque os darwinistas mentiram ao público por causa do "Piltdown Man".

A teoria está errada porque não foram oferecidas evidências que confirmem o mecanismo, nem foram oferecidas evidências que confirmem a descendência comum. Os fósseis que os darwinistas usam como evidência para evolução HOJE são postos em causa POR OUTROS darwinistas. Ou seja, eles nem se quer estão de acordo sobre eles, mas mostram uma face unida ao público como se estivesse tudo resolvido.

A argumentação criacionista faz também uma leitura inacreditável do Novo Testamento ao pretender que tanto Cristo como os seus apóstolos fizeram uma leitura literal do Génesis. Esta interpretação resulta de uma leitura dos textos bíblicos completamente desinformada dos progressos da hermenêutica bíblica desde o séc. XIX.

Não há nada nos "progressos da hermenêutica" do século XIX (1900 anos depois dos textos terem sido escritos!) que anule as palavras claras do Novo Testamento. O Senhor Jesus Cristo, e os Apostolos fazim uma leitura contextual do Livro do Genesis e, por incrível que pareça, acreditavam nas mesmas coisa que os criacionsitas acrteditam hoje.

O que o Alfredo sugere é que nós abandonemos a consistência interna da Bíblia, a história do Cristianismo, o contexto das palavras, e as leis da gramática hebraica, e que adoptemos filosofias lançadas (e desacreditadas) ao ar por filósofos alemães, sem o mínimo de conhecimeno da cultura, da história ou da lingua.

É preciso muita fé para isso, e eu não tenho. Prefiro acreditar naquilo que Moisés (o escritor/editor do Livro do Génesis), os Profetas, o Senhor Jesus, os Apóstolos e os cristãos durante a História acreditavam.

A argumentação criacionista corresponde a um estado de alta ansiedade porque se recusa a enfrentar o facto de que a narração cristã tradicional sobre a origem do universo e da vida não poderá continuar a ignorar os progressos da ciência e necessita, por conseguinte, de ser substituído por uma nova narração que seja credível e compreensível pela cultura contemporânea.

Não há nada nos "progressos da ciência" que refutem o relato Bíblico da criação. Talvez o Alfredo queira oferecer evidências para tal? O Ludwig tentou, mas acabou por assumir o que tinha que ser provado na sua resposta.

Uma pergunta para o Alfredo: a ciência diz que mortos não retornam à vida, mas o Senhor Jesus Cristo obviamente ressuscitou. Quem é que está certo? A "ciência" ou a Biblia?

Conclusão:

A resposta do Alfredo é a típica dos liberais. Não tem aliança nenhuma com a Bíblia, mas chamam-se de "cristãos". Não são nem frios nem quentes, tal como a igreja de Laodiceia (Rev 3:14-16). Por fora, tem a forma de cristãos, mas negam o poder de Deus (2 Timóteo 3:5). Juntam-se na roda dos escarnecedores da Bíblia, e não têm problemas em dizer que a Bíblia tem que ser "actualizada". Nunca lhes passa pela cabeça que se calhar *eles* é que têm que ser "actualizados".

Talvez seja o tempo do Alfredo rever as suas alianças....

segunda-feira, Abril 28, 2008

Resistência a antibióticos

Darwinismo = Metafísica Não Falsificável

http://bevets.com/equotesl3.htm

Darwin's theory of evolution by natural selection in particular is hopelessly metaphysical, according to the rules of etiquette laid down in the Logic of Scientific Inquiry and widely believed in by practicing scientists who bother to think about the problem.

The first rule for any scientific hypothesis ought to be that it is at least possible to conceive of an observation that would contradict the theory.

For what good is a theory that is guaranteed by its internal logical structure to agree with all conceivable observations, irrespective of the real structure of the world? If scientists are going to use logically unbeatable theories about the world, they might as well give up natural science and take up religion.

Yet is that not exactly the situation with regard to Darwinism? The theory of evolution by natural selection states that changes in the inherited characters of species occur, giving rise to differentiation in space and time, because different genetical types leave different numbers of offspring in different environments...

Such a theory can never be falsified, for it asserts that some environmental difference created the conditions for natural selection of a new character. It is existentially quantified so that the failure to find the environmental factor proves nothing, except that one has not looked hard enough.

Can one really imagine observations about nature that would disprove natural selection as a cause of the difference in bill size?

The theory of natural selection is then revealed as metaphysical rather than scientific.

Natural selection explains nothing because it explains everything.

“Testing the Theory of Natural Selection” Nature March 24, 1972 p.181


Richard Lewontin (b. 1929) PhD Zoology Alexander Agassiz Research Professor at Harvard University

Causas do Cepticismo em Relação ao Darwinismo

Um comentador do blog do Ludwig disse:


Não são os próprios cientistas que dão relevo aos criacionistas? Ou seja, não se alimentarão eles mutuamente aqui? Os cientistas porque assim também podem criticar o criacionismo "como se faz lá fora", os criacionistas porque dão o troco necessário para manter o debate vivo?

Sinceramente, eu não sei se alguém sabe de todas as causas que levam as pessoas a estarem cépticas em relação à teoria da evolução. No entanto, acho que algumas das razões são as seguintes:

1. O Design Biológico é óbvio.

* As pessoas ficam naturalmente cépticas com teorias que dizem que o mundo biológico é o resultado de milhões de acidentes, com o precioso filtro da sempre atenta selecção natural. A interpretação directa, sem rodeios e sem "prisões" filosóficas e religiosas é a de que o mundo mostra evidências de design porque foi feito por um Designer. No entanto a teoria da evolução tenta desesperadamente explicar como é que o design biológico apareceu SEM um Designer. As pessoas ficam naturalmente cépticas em relação a isso, mesmo que não sejam teístas.

Portanto, o design biológico é uma das razões que leva a que este debate ("Darwin vs Design") esteja tão aceso.

2. Descobertas científicas.

* Nos últimos 50 anos a ciência tem descoberto níveis de complexidade dentro das formas de vida que vão para além daquilo que os evolucionistas de há 100 anos poderiam prevêr. Desde o próprio ADN, aos circuitos dentro da célula, as pequenas máquinas biológicas, o sistema de codificação para novas células, etc, etc. Tudo isto, somado àquilo que já se sabia sobre as formas de vida, leva a que teorias naturalistas sejam postas em perigo. Isto é tanto assim, que até cientistas não-teístas se têm rendido ao design biológico. Eles, apesar de não serem teístas, dizem que o que ciência tem revelado sobre o funcionamento das formas de vida é consistente com a visão do mundo teísta.

O Dr Michael Denton, um agnóstico, diz isto no seu livro "Evolution: A Theory in Crisis":

"(...) The inference to design is a purely a posteriori induction based on the ruthlessly consistent application of the logic of analogy. The conclusion may have religious implications, but it does not depend on religious presuppositions" - pág 341

Portanto, a ciência tem mantido, e muitas vezes, re-animado este debate.

3. a Bíblia

* Obviamente que a Bíblia, a Palavra de Deus, tem um papel relevante neste debate. Uma vez que a Bíblia, sendo Um Livro que se tem revelado Fidedigno e Fiável em todas as matérias históricas a que alude, é atacado pela teoria da evolução, os Cristãos naturalmente são o grupo menos susceptível de acreditar que as formas de vida criaram-se a si próprias. Sim, há "Cristãos" que acreditam na evolução, mas a evolução deles é uma evolução "guiada" por Deus. Essa não é a evolução que os ateus têm em mente, e nem é a que é ensinada nas escolas públicas.

O que o Livro do Génesis diz sobre a origem da vida não só tem sobrevivido ao escrutínio da ciência, mas tem ganho mais e mais peso e aceitação entre pessoas com conhecimento do mundo Biológico.

A Bíblia é, portanto, uma das causas do cepticismo contra o darwinismo.

...

Para os darwinistas o debate sobre a evolução é a ultima coisa que eles esperariam depois de tanto tempo a terem a sua teoria a ser indoctrinada nas escolas públicas (com dinheiro público). Talvez eles devessem parar e pensar o porquê de tal facto. Talvez eles devessem meditar sobre o porquê de as pessoas terem dificudade e aceitar a noção de que o mundo biológico criou-se a si próprio.


Romanos 1:20
"Porque as Suas Coisas invisíveis desde a criação do mundo, tanto o Seu Eterno Poder, como a Sua Divindade, se entendem, e claramente se vêem pelas coisas que estão criadas, para que eles fiquem inescusáveis".

Dados e Naturalismo

A maior parte dos cientistas actuais usa o naturalismo como presuposição. O que isto significa é que qualquer facto, situação e argumento que choque com o naturalismo tem que ser re-intepretado para "caber" dentro da presuposição.

O problema é que não há razões científicas para se assumir que tudo aquilo que acontece, vai acontecer, e já aconteceu está dentro do domínio naturalista. Alguns evolucionistas honestos admitem isso mesmo:

We take the side of [Evolutionary] science in spite of the patent absurdity of some of its constructs, in spite of its failure to fulfill many of its extravagant promises of health and life, in spite of the tolerance of the scientific community for unsubstantiated just-so stories, because we have a prior commitment, a commitment to materialism. It is not that the methods and institutions of science somehow compel us to accept a material explanation of the phenomenal world, but, on the contrary, that we are forced by our a priori adherence to material causes to create an apparatus of investigation and a set of concepts that produce material explanations, no matter how counter-intuitive, no matter how mystifying to the uninitiated. Moreover, that materialism is an absolute, for we cannot allow a Divine Foot in the door. "Billions and Billions of Demons" (ênfase adicionado por mim)

Por outras palavras, a crença na materialismo/naturalismo não é alguma coisa que seja uma dedução científica, ou uma necessidade científica, mas sim uma presuposição filosófica que foi imposta à ciência como forma de eliminar Deus do panorama ("We cannot allow a Divine Foot in the door")

Tendo sido demonstrado por muitos cientistas que o naturalismo é uma presuposição, e não uma dedução, os evolucionistas tentam agora justificá-la.

Foi isso que o Ludwig tentou fazer neste post.

Supomos que o carro não anda sem combustível. Podíamos supor o contrário, supor que se move a bolachas, a pensamentos positivos ou por obra e graça do espírito santo. Mas embora seja necessário assumir alguma coisa e embora se possa assumir o que quer que seja, o facto é que sem combustível o carro não anda.

“Facto” não implica que seja totalmente objectivo. Extrapolamos que o carro não anda sem combustível baseando-nos na nossa experiência e no que sabemos acerca do carro, o que é quase um raciocínio circula
r.

Não creio que esta analogia seja a mais realista uma vez que a razão principal pela qual sabemos que o carro tem que ter combustível é porque nós fazemos os carros assim mesmo. Não é preciso supôr isso. Mas mesmo assim, vamos assumir que sim.

Mas o que importa reter aqui é que o Ludwig está a falar de coisas que se podem testar HOJE, não sobre um passado remoto. Isto é muito importante ter em mente quando se fala da evolução, do naturalismo e da criação.

A ciência tem pressupostos destes. Assume que se tem que observar o objecto de estudo, que se tem que quantificar os dados e que as explicações são naturais.

Se isto é assim, então o que dizer da teoria da evolução, que postula coisas que não são observáveis (dinosauros a transformarem-se em áves), e muito menos quantificáveis? Mais ainda, como é que se pode ter a certeza que tudo aquilo que acontece no mundo é "natural"? Para piorar as coisas, o que é uma "explicação natural"? Há duas hipóteses:

1. É algo que está de acordo com o nosso conhecimento.

ou

2. Algo que acontece no mundo natural ?

Se é algo que está de acordo com o nosso conhecimento ACTUAL, então não se pode rejeitar o Sobrenatural só porque não está de acordo com o nosso conhecimento actual. Há muitas coisas que nós não sabemos HOJE, mas que vamos saber no futuro. Rejeitar o sobrenatural por causa de 1) é dizer que nós já sabemos tudo o que há para saber. Isso é falso.

Agora, se "natural" são coisas que acontecem no mundo natural, então também não há razão para se rejeitar o sobrenatural, uma vez que inúmeros evenos sobrenaturais foram testemeunhados e escritos por muitas pessoas (a divisão do Mar Vermelho, os milagres do Senhor Jesus, etc,etc).

Portanto, a restrição da ciência com o "naturalismo" é uma limitação não realísta.

O Ludwig diz ainda:

A teologia é imune à realidade. Tanto faz se Cristo ressuscitou, se Maria era mesmo virgem ou se existe Deus porque estes pressupostos são tidos como irrefutáveis e não carecendo de justificação.

O naturalismo é que é imune à realidade. Tanto faz se o naturalismo é mesmo capaz de explicar o aparecimento do código genético, ou o aparecimento do sistema de visão dos vertebrados, ou mesmo a abilidade de fazer ciência.O que se sabe é que o naturalismo tem que ser verdade, independentemente das evidências. A crença no naturalismo é, nas palavras do Dr Lewontin, um absoluto.

No que toca à ressurreição de Cristo: acho que não há outra explicação lógica para o aparecimento do cristianismo. A preposição "Deus ressuscitou Jesus dos mortos" é a que melhor explica factos conhecidos, e é a mais coerente quando comparada com as explicações alternativas. Portanto, longe de ser disconectada com a realidade, a ressurreição de Cristo é um dos factos mais bem atestados da história antiga.

O Apostolo Paulo disse:

1 Coríntios 15:17 - E se Cristo não ressuscitou, é vâ a vossa fé, e ainda permaneceis nos vossos pecados.

Ou seja, todo o edifício cristão se baseia num e só num ponto histórico: a ressurreição de Cristo. Dois mil anos se passaram, e os cépticos ainda não ofereceram evidências que contradigam o relato Bíblico.

É verdade que os crentes tentam justificá-los apelando à revelação, à fé ou a à experiência pessoal.

E a evidências históricas, manuscritos Bíblicos, profecia, etc, etc.

À teologia de hoje basta que não se prove a inexistência de Deus, e suspeito que se um dia ficar provado que Deus não existe até desse requisito irão prescindir.

O problema é que é impossível de se provar que Deus NÃO existe. Por isso é que muitos ateus já não dizem que "acreditam que Deus NÃO existe", mas sim que não tem fé em Deus algum. Ou seja, sacudiram a responsabilidade de oferecer evidências para a sua fé.

Em suma, a ciência é uma criação intelectual humana. É subjectiva e tem falhas mas gera conhecimento interagindo com os seus objecto de estudo.

Excepto a evolução. Nesse caso não se interage com os objectos de estudo, não se observam as transformações imaginadas, não se vê o mecanismo a fazer o que os darwinistas dizem que ele fez, e pior, tudo aquilo que nós observamos vai contra a fé darwinista. Mas isso parece não importar muito aos naturalistas filosóficos. Quem é que precisa de evidências quando se tem o naturalismo, certo?

Os seus pressupostos dependem de como o universo funciona e não reflectem apenas a imaginação humana.

Mas.... o presuposto naturalista não depende de como o universo funciona, uma vez que não há forma nenhuma de se saber que o universo, a sua causa, e a sua operação, depende SÓ de forças naturais. O darwinistas ASSUMEM que sim, nas não soferecem evidências que suportam essa crença.

A teologia é uma criação intelectual humana. É subjectiva, também tem falhas mas não interage com o seu presumido objecto de estudo.

Mas há milhões de pessoas por todo o mundo que interagem com Deus. Há milhões de pessoas sãs, saudáveis, respeitadas que afirmam terem falado com Deus. Quem é que te disse que não interagimos com Deus? Será a tua fé naturalista mais um vez a pressupor o que ainda tens que provar?

É auto-contida, circular e arbitrária. Podemos escolher os pressupostos à vontade, mas reconhecer ou ignorar as dicas que o universo nos dá é a diferença entre seguir viagem ou ficar empanado.

O universo não dá dicas nenhumas que suportem a fé no naturalismo, obviamente.

domingo, Abril 27, 2008

Imagem de Dinosauros Onde Não Deveria Estar

Supostamente os dinosauros "desapareceram" há "milhões e milhões de anos atrás. No entanto, há toneladas de evidências que mitigam contra esta crença.


Uma que gostaria de deixar aqui é a foto que está em baixo. Ela está posta numa tomba de um bispo. Até aqui nada de controverso. O problema é que o bispo morreu três séculos antes de os ossos de dinosauro terem sido encontrados


Como é que se explica isto? Bem, se considerarmos a Biblia como um relato Fidedigno da criação, então os dinosauros fazem parte da criação original de Deus. Como os animais terrestres foram criados no 6º Dia da Criação, tal como o ser humano, então os homens e os dinosauros sempre co-existiram, contrariamente àquilo que a mitologia darwinista diz.


Portanto, encontrar tombas com imagens de dinosauros confirmam a Palavra de Deus, e são mais uma evidência contra o mito ateu da evolução.


( Para mais informação, lêr http://creationontheweb.com/content/view/133 )

domingo, Abril 13, 2008

Bactérias e resistência

Bactérias e resistência

O Sabino disse:

«também é engraçado vocês associarem desenvolvimento de resistência das bactérias e desenvolvimento de resistencia nos mosquitos aos pesticidas como “evolução em acção”»

…ao que o João Vasco responde:

É exactamente isso. O desenvolvimento dessas resistências é precisamente o que a teoria da evolução por selecção natural prevê, e precisamente aquilo que acontece.

Não é previsão nenhuma dizer “os filhos serão diferentes dos pais“. Isso é por demais óbvio.

Mais, quando as batérias adquirem resistência a um tipo de droga, uma das razões é a perda de informação genética. Do ponto de vista darwinista, a perda de informação e o ganho de informação genética são exemplos de “evolução”. Uma vez que a teoria “prevê” duas coisas opostas , então essa teoria não prevê nada.

É prova que surge informação nova no ADN, e que por isso micróbios que antes não tinham determinada capacidade, ficam com um ADN maior, e ficam com uma capacidade adicional que antes não tinham, a qual lhes permite sobreviver a certos medicamentos que antes os destruiam.

O facto de que um ser vivo ganha uma apetência, ou resistência, que antes não tinha, não quer dizer que há mais informação. Em África há pessoas que são menos susceptíveis de apanhar malária devido a uma PERDA de informação genética (em inglês “Sicle cell anemia“). Isso é evolução? Bem, segundo a tua tese, deve ser porque “ficam com uma capacidade adicional que antes não tinham“.

Segundo, há mutações benéficas mais obviamente observáveis que são o resultado de perda de informação genética. Há “beetles” (escaravelho/barata) em ilhas com muito vento que perdem a capacidade de voar. Porquê? Aquelas que voam são mais facilmente lançadas aos mares. Aquelas que têm a mutação genética que não lhes permita voar, tornam-se as dominantes na espécie, sendo favorecidas pela selecção natural. Segundo a tua teoria, isto também é “evolução”.

Resumindo: se os ditos animais ganharem uma nova capacidade, é evolução. No entanto, se perderem, também é evolução!

Uma teoria que acomoda dois factos totalmente opostos não é uma teoria científica.

Quando o Ateísmo Contradiz a Ciência

O ateu Ludwig disse uma coisa que deve levantar os cabelos de qualquer cientista:

O código supõe a inteligência mas o ADN não tem código nenhum. É uma molécula que reage com outras. E se alguma inteligência escreveu uma mensagem em código no ADN da cebola ou do percebe perdeu tempo para nada porque ninguém está cá que a saiba ler.

Conclusão:

1. O ADN, contrariamente ao que os cientistas dizem (criacionistas e evolucionistas) não é um código.

2. Mesmo que seja um código, ninguém o sabe lêr, por isso, foi uma “perda de tempo”.

hmm.. interessante!

1. Claro que o ADN é um código. É o código de informação mais complexo alguma vez visto. Se algum ser humano fosse capaz de escrever alguma coisa remotamente parecida com o código genético, esse alguém seria considerado um génio.

G.G. Simpson disse que toda a informação genética para construir todas as formas de vida que alguma vez existiram (extintas ou não), MAIS a informação presente nos livros existentes, caberia numa colher de sopa de ADN. Isto é absolutamente fantástico.

2. O facto de ninguém (humano) saiba lêr o código genético, não quer dizer nada. Um código não depende de alguém para ser ou não ser um código. O facto eu não entender hebraico não invalida que o hebraico seja um código linguístico.

Segundo, eu não sou um perito nessa área, mas creio que a interacção entre o ADN, RNA e mRNA involve mesmo troca de informação para a replicação, conversão de nutrientes, etc.

O post do Ludwig é o exemplo claro do que o ateísmo faz às pessoas.

O Ludwig prefere acreditar que o ADN não é um código, do que acreditar que é, uma vez que o Ludwig correctamente conclui que, se o ADN é um código, então foi feito por Alguém. Esse Alguém, obviamente, existe para além do mundo material (Deus).

Portanto, o Ludwig prefere negar aquilo que pode verificar empiricamente (como forma de manter o seu ateísmo) do que aceitar as evidências.

O Apóstolo Paulo fala deste estado de espírito no Livro dos Romanos:




Romans 1
20. Pois os seus atributos invisíveis, o Seu eterno poder e divindade, são claramente vistos desde a criação do mundo, sendo percebidos mediante as coisas criadas, de modo que eles são inescusáveis;
21. porquanto, tendo conhecido a Deus, contudo não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes nas suas especulações se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu.
22. Dizendo-se sábios, tornaram-se estultos,
23. e mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, e de aves, e de quadrúpedes, e de répteis.
24. Por isso Deus os entregou, nas concupiscências de seus corações, � imundícia, para serem os seus corpos desonrados entre si;
25. pois trocaram a verdade de Deus pela mentira, e adoraram e serviram � criatura antes que ao Criador, que é bendito eternamente. Amém.
26. Pelo que Deus os entregou a paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural no que é contrário � natureza;
27. semelhantemente, também os varões, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para como os outros, varão com varão, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a devida recompensa do seu erro.

terça-feira, Abril 01, 2008

Dilúvio versus Ciência?

Uma das coisa que os evolucionistas têm o cuidado de fazer passar ao público é a crença em “milhões e milhões de anos” para a existência da Terra. Para eles essa dogma é fundamental e muito importante, uma vez que se o mundo não tem milhões anos, então não houve tempo para a evolução acontecer.

Contra este mito darwinista levanta-se o Grande Dilúvio de Noé (Génesis 7-11).

Há cerca de 4400 anos Deus “abriu as janelas do céu“, e rompeu as “fontes do grande abismo” (fontes aquáticas subterrâneas) (Génesis 7:11). Durante 40 dias e 40 noites chuveu sobre a Terra enquanto que as ditas águas subterrâneas se levantavam até níves nunca vistos.

As coisas chegaram a um ponto tal que a dada altura “todos os altos montes que havia debaixo do todo o céu foram cobertos” por água (Génesis 7:19). Isto causou imensa alteração geológica na Terra, e deixou inúmeras evidências, mas vou só focar uma:

Fósseis que demonstram terem sido subterrados rapidamente.

fossil_fish_eating.jpg

Na imagem de cima, este peixe foi enterrado bem no momento em que engolia um peixe. Pensem em quão rapidamente ele teria que ser enterrado para este momento ser preservado. (Foto do Dr. Andrew Snelling)

fossil_fish_giving_birth.jpg

Esta imagem não é tão clara, mas nele se vê um ichthyosaur, réptil marinho a dar à luz. Quanto tempo é que demora para um réptil marinho dar à luz? Não sei, mas acho que varia. Uma coisa podemos estar certos: não demora milhões de anos! (Foto do Dr. Andrew Snelling)

Qual é a relevância disto em relação à evolução? Simples. A evolução precisa dos milhões de anos. Esses milhões de anos estão definidos e separados na chamada “Escala de Tempo Geológico“. Essa escala assume, entre outras coisas, que os processos geológicos que causaram composição geológica são os mesmos que sempre operaram, nomeadamente, processos lentos e longos.

O problema é que se houve um Dilúvio universal, e as evidências suportam essa posição, então os estratos geológicos não refletem os chamados processos lentos e longos, mas sim a forma como os sedimentos se depositaram após o Dilúvio.

Portanto, longe de ser o Dilúvio “contra a ciência”, o Dilúvio de Noé está perfeitamente de acordo com as evidências, enquanto que a teoria da evolução não está.


Genesis 7
17. Veio o dilúvio sobre a terra durante quarenta dias; e as águas cresceram e levantaram a arca, e ela se elevou por cima da terra.
18. Prevaleceram as águas e cresceram grandemente sobre a terra; e a arca vagava sobre as águas.
19. As águas prevaleceram excessivamente sobre a terra; e todos os altos montes que havia debaixo do céu foram cobertos.
20. Quinze côvados acima deles prevaleceram as águas; e assim foram cobertos.
21. Pereceu toda a carne que se movia sobre a terra, tanto ave como gado, animais selvagens, todo réptil que se arrasta sobre a terra, e todo homem.
22. Tudo o que tinha fôlego do espírito de vida em suas narinas, tudo o que havia na terra seca, morreu.
23. Assim foram exterminadas todas as criaturas que havia sobre a face da terra, tanto o homem como o gado, o réptil, e as aves do céu; todos foram exterminados da terra; ficou somente Noé, e os que com ele estavam na arca.
24. E prevaleceram as águas sobre a terra cento e cinqüenta dias.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Share

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More